Saúde

Tem certeza que é queloide? Cicatriz elevada pode ser outro problema

19 de setembro de 2019

Cortes e pequenos traumas são suficientes para o desenvolvimento de cicatrizes com relevo em algumas pessoas. Mas nem sempre essa característica indica de imediato o diagnóstico de queloide. De acordo com a dermatologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Cláudia Escaleira de Oliveira Dourado, é possível que a protuberância seja confundida com uma cicatriz hipertrófica.

A divergência principal entre os dois problemas está ligada à delimitação da lesão. No caso do queloide, o tecido cicatricial,que cresceu de forma anormal, não respeita o limite da cicatriz original. Já a cicatriz hipertrófica, apresenta a elevação apenas no espaço traumatizado.

Segundo a especialista, a eficácia do procedimento é outra diferença importante. “Nos casos de cicatrizes hipertróficas, é comum que o resultado seja melhor, mais rápido e com menor chance da lesão voltar após um tempo, o que não ocorre no caso do queloide, que muitas vezes só é excluído após uma cirurgia e mesmo assim com chances de reaparecer”, explica.

O queloide pode ainda apresentar dor, coceira, sensação de queimação e, dependendo do local, limitar o movimento. Para amenizar esses sintomas, há diferentes tratamentos como infiltração de medicamento, crioterapia- para lesões menores, laser e, por fim, a cirurgia.

“Em alguns casos a única possibilidade é realmente a cirurgia, mas mesmo assim é preciso levar em conta a chance de retorno da lesão. Quando é feita a intervenção cirúrgica, há ainda um procedimento pós que incluí: uso de medicamentos injetáveis, curativos oclusivos e compressivos”, alerta a dermatologista.

O problema pode afetar os dois sexos igualmente, sendo mais comum em pessoas negras, asiáticas e em idade entre 10 e 30 anos. Sua incidência em feridas cirúrgicas é de 5% a 15%, com grande chance de reaparecer, mesmo depois de serem removidos em processos operatórios.

Fonte:

HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Hospital Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.000 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o primeiro lugar no Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar na categoria Saúde – Hospitais, conquistado por três anos consecutivos, 2017, 2018 e 2019.

Crédito/Foto

You Might Also Like

Nenhum Comentário

Comente! Sua opinião é muito importante!

%d blogueiros gostam disto: