Saúde

O que você precisa saber antes de colocar silicone

2 de abril de 2019

Após a polêmica envolvendo a nutricionista Bella Falconi, que teve que passar por cirurgia para a retirada das próteses de silicone por problemas de saúde, algumas dúvidas acabam surgindo em torno da mamoplastia de aumento, uma das cirurgias mais procuradas nos consultórios de cirurgia plástica.

Doutor Pedro Lozano, integrante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, afirma que essa cirurgia é a segunda mais realizada no Brasil, ficando atrás apenas da lipoaspiração.

O especialista conta o que é preciso saber antes de colocar a prótese de silicone:

  1. Estar em perfeitas condições de saúde é fundamental para realizar o procedimento. Por isso, antes da cirurgia é realizado um estudo pré-operatório que pode incluir avaliação de outras especialidades, inclusive exames de imagem das mamas.

  2. O tamanho e o formato da prótese serão discutidos com o médico após a paciente expor o objetivo que deseja alcançar. A escolha do volume e modelo do silicone levam em conta as medidas do corpo da paciente como largura do tórax e dos ombros, distância entre os seios e espessura do tecido mamário, tipo de pele entre outros.

  3. Próteses grandes demais podem causar efeitos a longo prazo como alterações na postura, queda precoce das mamas e até mesmo compressão no tórax. Apesar de rara a compressão pode ocorrer em um percentual muito pequeno das pacientes com próteses atrás do músculo. Por isso é muito importante avaliar quantos ml são indicados para cada biotipo de paciente e discutir os prós e contras de cada técnica.

  4. As mulheres que estão em processo de emagrecimento devem esperar alcançar a meta de peso ideal para depois realizar a colocação da prótese de silicone. Caso o procedimento seja feito antes disso, pode ser necessário uma nova cirurgia para correção.

  5. Ao contrário do que muitos pensam, a prótese de silicone não prejudica a amamentação. Também não abre precedência para doenças como o câncer.

  6. Se a mulher pretende engravidar em breve é aconselhável que a prótese de silicone seja colocada em média após um ano do parto ou no mínimo seis meses do término da amamentação.

  7. A estação do ano não influencia nos resultados da cirurgia, mas pode ajudar no pós-operatório. Temperaturas mais amenas no outono e inverno fazem com que as pacientes sintam menos desconforto e inchaço, mais comuns no verão.

  8. Os implantes de silicone não interferem nos exames das mamas, assim como não têm prazo de validade fixo. As próteses de primeira e segunda geração (lisas) tendiam a ficar duras ou romper com o passar do tempo, atualmente esse tipo de alteração ocorre em apenas 2% dos implantes modernos. Por esse motivo era recomendado a troca em média a cada dez anos, mas hoje isso não é obrigatório, pois essas alterações dependem de como o sistema imunológico de cada paciente reage. O acompanhamento médico e ultrassom anual continuam sendo recomendados, assim como uma ressonância magnética a cada 8 anos para uma melhor avaliação. Caso não exista alterações e a paciente esteja satisfeita com o resultado, não é preciso trocar as próteses.

  9. A cirurgia de troca do silicone no seio é muito individualizada. Tudo vai depender se há ou não queda das mamas, flacidez, qualidade da pele, tipo e tamanho da prótese. As cirurgias podem variar desde a troca do tamanho ou formato do implante, assim como a troca do plano (local onde o silicone pode ser colocado, para frente ou para trás do músculo ou fáscia), além de retirada da pele, que pode ser ao redor da aréola, no sulco abaixo da mama, em “pirulito” ou em “T” invertido. Ou seja, é personalizada e depende de cada caso.

  10. Se informe sobre a experiência do médico e estrutura do local onde será realizada a cirurgia. O procedimento nunca deve ser feito fora de ambiente hospitalar. Procure sempre um especialista habilitado e que seja integrante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Sobre o especialista

Pedro Lozano, integrante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, possui graduação  em Medicina pela Faculdade de Medicina de Botucatu – Universidade Estadual Paulista (UNESP),Residência (Especialização) em Cirurgia Geral: Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP, Botucatu,  Residência Médica (Especialização) em Cirurgia Plástica pela Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), Título de Especialista em Cirurgia Plástica: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – SBCP, é Professor de Habilidades Cirúrgicas da Universidade Cidade de São Paulo – (UNICID).

You Might Also Like

Nenhum Comentário

Comente! Sua opinião é muito importante!

%d blogueiros gostam disto: